Menu

Perfil Corporativo

A Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. – CELESC está entre as maiores empresas do setor elétrico brasileiro, com destaque nas áreas de distribuição e geração de energia. Estruturada como Holding em 2006, a Empresa possui duas subsidiárias integrais – a Celesc Distribuição S.A. e a Celesc Geração S.A. Além disso, detém o controle acionário da Companhia de Gás de Santa Catarina (SCGÁS) e é sócia das empresas Dona Francisca Energética S.A. (DFESA), Empresa Catarinense de Transmissão de Energia S.A. (ECTE), Companhia Catarinense de Água e Saneamento (CASAN) e do projeto da Usina Hidrelétrica Cubatão S.A.

Seu acionista controlador é o Estado de Santa Catarina, detentor de 50,18% das ações ordinárias da Companhia, correspondentes a 20,2% do Capital Total.

Celesc Distribuição S.A.

A Celesc Distribuição S.A. atua com destaque no segmento de distribuição de energia elétrica. Possui sua sede no município de Florianópolis, sendo uma concessionária de serviço público de distribuição de energia elétrica e atende, total ou parcialmente, 285 municípios, contabilizando mais de três mil unidades consumidoras. Do total atendido, 264 municípios constam no contrato de concessão da distribuidora (263 em Santa Catarina e 1 no Paraná) e 21 municípios são atendidos a título precário, localizados em áreas de concessões de outras distribuidoras (17 em Santa Catarina e 4 no Paraná). O atendimento a título precário ocorre, conforme regulamentação da ANEEL, por razões de conveniência técnica e econômica, decorrentes da inexistência de rede da concessionária titular da concessão. Adicionalmente, a Celesc D é responsável pelo suprimento de energia elétrica para atendimento de 4 concessionárias e 20 permissionárias de distribuição, que atuam em municípios catarinenses não atendidos pela Empresa.

A empresa distribuiu 26.903GWh até setembro de 2021, e seu faturamento bruto nesse período alcançou R$ 16,713 bilhões. O mapa mostra a abrangência da área de atuação da CELESC.

 

Celesc Geração S.A.

A Celesc G é subsidiária integral da Celesc e atua nos segmentos de geração e transmissão de energia elétrica, por meio da operação, manutenção e expansão do parque próprio de geração e da participação em empreendimentos de geração e transmissão de energia em parcerias com investidores privados.

Em 31 de dezembro de 2021, a Celesc G possui um parque gerador próprio formado por 12 Usinas, das quais, 6 Usinas Hidrelétricas – UHEs, 5 Centrais Geradoras Hidrelétricas – CGHs e 1 Pequena Central Hidrelétrica – PCH.

Ainda no segmento de geração, a Celesc G detém participação minoritária em mais 6 empreendimentos de geração desenvolvidos em parceria com investidores privados, no formato de Sociedade de Propósito Específico – SPE, todos já em operação comercial.

A capacidade total de geração da Celesc G em operação comercial foi de 126,51 MW, sendo 115,27 MW referentes ao parque próprio e 11,24 MW referentes ao parque gerador estabelecido com parceiros, já proporcionalizada a participação acionária da Celesc G nesses empreendimentos.

Todas as usinas do parque gerador próprio e em parceria participam do Mecanismo de Realocação de Energia – MRE, sistema de compartilhamento de riscos hidrológicos em que as usinas participantes transferem a energia gerada excedente à sua garantia física às usinas que geraram abaixo.

Usinas Celesc

 

A tabela a seguir apresenta as principais características das usinas 100% da Celesc Geração:

Parque Gerador Próprio | 100% da Celesc Geração S.A.

Localização Termo Final da Concessão Potência Instalada (MW) Garantia Física (MW) Garantia Física
em Cotas
UHE Pery Curitibanos – SC 09/07/2047* 30,00 14,08 100%
UHE Palmeiras Rio dos Cedros – SC 07/11/2046* 24,60 16,70 70%
UHE Bracinho Schroeder – SC 07/11/2046* 15,00 8,80 70%
UHE Garcia Angelina – SC 07/11/2046* 8,92 7,10 70%
UHE Cedros Rio dos Cedros – SC 07/11/2046* 8,40 6,75 70%
UHE Salto Weissbach Blumenau – SC 07/11/2046* 6,28 3,99 70%
PCH Celso Ramos Faxinal dos Guedes – SC 17/03/2035* 13,92 6,77 ***
CGH Caveiras Lages – SC ** 3,83 2,77 ***
CGH Ivo Silveira Campos Novos – SC ** 2,60 2,03 ***
CGH Rio do Peixe Videira – SC ** 0,52 0,50 ***
CGH Piraí Joinville – SC ** 0,78 0,45 ***
CGH São Lourenço Mafra – SC ** 0,42 0,22 ***
Total – MW 115,27 70,16

(*) Usinas que aderiram à repactuação do risco hidrológico conforme REN ANEEL nº 895/2020 e receberão extensão de 7 anos ao prazo de concessão, exceto Celso Ramos que receberá extensão 4,2 anos de concessão.
(**) Usinas com potência inferior a 5 MW estão dispensadas do ato de concessão (Lei Federal nº 13.360/2016).
(***) Não se aplica.

Empreendimentos em operação – Celesc Geração S.A. detém participação minoritária

Usinas Localização Termo Final da Concessão Potência Instalada (MW) Garantia Física (MW) Participação Celesc Geração Equivalente Potência Instalada (MW) Equivalente Garantia Física (MW)
PCH Rondinha* Passos Maia/SC 05/10/2040 9,60 5,48 32,5% 3,12 1,78
CGH Prata*** Bandeirante/SC ** 3,00 1,68 26,1% 0,78 0,44
CGH Belmonte*** Belmonte/SC ** 3,60 1,84 26,1% 0,94 0,48
CGH Bandeirante*** Bandeirante/SC ** 3,00 1,76 26,1% 0,78 0,46
PCH Xavantina Xanxerê/SC 07/04/2040 6,08 3,54 40,0% 2,43 1,42
PCH Garça Branca Anchieta/SC 13/03/2043 6,50 3,44 49,0% 3,19 1,69
Total – MW 31,78 17,74 11,24 6,27

(*) Usina que aderiu à repactuação do risco hidrológico conforme REN ANEEL nº 895/2020 e receberá extensão de 336 dias ao prazo de concessão.
(**) Usinas com potência igual ou inferior a 5 MW estão dispensadas do ato de concessão (Lei Federal nº 13.360/2016).
(***) O Complexo Energético Rio das Flores – CRF, é formado pelas CGHs Prata, Belmonte e Bandeirante.

A Empresa possui uma carteira de projetos de ampliação/reativação das usinas próprias. A tabela abaixo apresenta os referidos projetos e os respectivos estágios de desenvolvimento. Quanto à garantia física (nova ou incremental), a Companhia busca obter em média 50% de fator de capacidade total da usina após a ampliação/reativação, padrão observado para outros empreendimentos em operação com características similares.

Empreendimentos em desenvolvimento – Celesc Geração S.A. detém 100%

Usinas Localização Termo Final da Concessão Potência Instalada (MW) Acrécimo de Potência (MW) Potência Final (MW) Data prevista de entrada em operação
UHE Salto Weissbach Blumenau/SC 07/11/2046 6,28 23,00 29,28 **
CGH Caveiras Lages/SC * 3,83 *** *** **
UHE Cedros Etapa 1 e 2 Rio dos Cedros/SC 07/11/2046 8,40 4,50 12,90 **
UHE Palmeiras Rio dos Cedros/SC 07/11/2046 24,60 0,75 25,35 **
CGH Maruim** São José/SC * 0,00 1,00 1,00 2022
Total – MW 43,11 29,25 68,53

(*) Usinas com potência inferior a 5 MW estão dispensadas do ato de concessão.
(**) Depende de trâmites regulatórios ou ambientais ou construtivos.
(***) Potência final será definida com a Revisão de Projeto Básico.

A Celesc G possui 10% de participação societária em um empreendimento de transmissão, denominado EDP Transmissão Aliança SC S.A., com investimentos previstos em R$1,2 bilhão.

As instalações visam à expansão do sistema da região Sul e Planalto do Estado de Santa Catarina e permitirão ainda que a Celesc D conecte seu sistema à nova estrutura, de forma a trazer benefícios diretos para regiões críticas em sistema energético do Estado. O prazo para a execução das obras é de 60 meses e a entrada em operação comercial determinada é para agosto de 2022. A SPE foi constituída em julho de 2017 e o Contrato de Concessão assinado em agosto do mesmo ano.

A tabela a seguir resume as principais informações do empreendimento

TRANSMISSORA Localização Termo Final de Concessão Km Linha Potência de Transformação (MVA)
Data Prevista de Entrada em Operação STATUS
EDP Transmissão Aliança SC Santa Catarina 11/08/2047 433,00 1.344 11/08/2022 Em obras

Controlada

Companhia de Gás de Santa Catarina – SCGÁS

A SCGÁS possui a concessão para exploração dos serviços de distribuição de gás natural em 100% do território catarinense e seu contrato de concessão de distribuição de gás canalizado, firmado em 28 de março de 1994, tem vigência de 50 anos (2044). A empresa comercializa e distribuem diariamente, dois milhões de m3 de gás natural para 16,7 mil clientes. A Celesc detém 51,0% das ações ordinárias, a Petrobras Gás S.A. – Gaspetro 23,0%, a Mitsui Gás e Energia do Brasil Ltda – Mitsui Gás 23,0% e a Infraestrutura de Gás para a Região Sul S.A. – Infragás 3,0%. A participação no capital social total é a seguinte: Celesc 17,0%, Gaspetro 41,0%, Mitsui Gás 41,0% e a Infragás 1,0%. 

 

Demais Participações

Empresa Catarinense de Transmissão de Energia – ECTE

Constituída em agosto de 2000, com o propósito específico de integrar o sistema de transmissão de energia elétrica no estado de Santa Catarina, com a exploração das linhas de transmissão de energia elétrica nas regiões leste e litoral de Santa Catarina, a empresa é concessionária da linha de transmissão SE Campos Novos/SC – SE Blumenau/SC C2, com 252,5 km de extensão. É o segundo empreendimento colocado em operação na nova modalidade idealizada para o novo modelo do setor elétrico. A ECTE, após sagrar-se vencedora do lote D, do leilão nº 006/2011, constituiu, em dezembro/2011, sua subsidiária ETSE – Empresa de Transmissão Serrana S.A., que contempla a concessão da SE Abdon Batista (525/230 kV) e da SE Gaspar (230/138 kV), ambas no Estado de Santa Catarina, e visam integrar as Usinas de Geração de energia elétrica ao SIN, bem como viabilizar o acesso ao sistema de distribuição da Celesc, além de atender à expansão do suprimento de energia elétrica à região do Vale do Itajaí. A coligada ECTE detém contrato de concessão de transmissão de energia elétrica nº 088/2000, datado de 1º de novembro de 2000, com prazo de vigência de 30 anos. Para a sua subsidiária ETSE, o contrato de concessão de transmissão de energia elétrica nº 006/2012, de 10 de maio de 2012, tem prazo de vigência de 30 anos. A Celesc detém 30,88% do Capital Social total da empresa.

 

Dona Francisca Energética S.A – DFESA

Concessionária produtora independente de energia elétrica, a DFESA detém 85% de participação na Usina Hidrelétrica Dona Francisca, construída no rio Jacuí, no Rio Grande do Sul. A usina possui capacidade instalada de 125 MW e energia assegurada de 80 MW. O empreendimento foi inaugurado em maio de 2001. A DFESA detém o Contrato de Concessão nº 188/98 datado de 28 de agosto de 1998. Em 2021, o prazo de vigência da concessão passou de 35 para 39 anos da data da assinatura do contrato. A extensão foi concedida após a realizar a adesão a Lei Nº 14.052/2020. A Celesc detém 23,03% do capital social da empresa.

 

Companhia Catarinense de Água e Saneamento – CASAN

Sociedade de economia mista de capital aberto, controlada pelo Governo do Estado de Santa Catarina, a função da CASAN é planejar, executar, operar e explorar os serviços de abastecimento de água potável e saneamento em suas áreas de concessões (municipal). Atualmente, os serviços prestados pela empresa abrangem 194 municípios catarinenses e um no Paraná, atendendo uma população de aproximadamente 2,8 milhões de pessoas com água tratada e mais de 700 mil pessoas com coleta, tratamento e destino final de esgoto sanitário. A Celesc é detentora de 14,19% do total de ações da empresa, já o Estado de Santa Catarina possui 66,41%, a SC Participações e Parcerias 17,22%, a Companhia de Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina S.A. – Codesc 2,17% e Outros Acionistas 0,01%.

 Usina Hidrelétrica Cubatão S.A.

Sociedade de Propósito Específico – SPE, constituída em 1996, para implantação da Usina Hidrelétrica Cubatão, em Joinville/SC. Com histórico de entraves ambientais, indeferimento ao pleito de postergação do período de concessão e consequente inviabilidade econômica para o desenvolvimento do projeto, o empreendimento solicitou à ANEEL a rescisão amigável do Contrato de Concessão nº 04/1996 (Processo ANEEL nº 48100.003800/1995-89). Por meio da Portaria nº 310, de 27 de julho de 2018, o Ministério de Minas e Energia – MME decidiu extinguir a concessão e reconhece, ainda, não haver bens reversíveis vinculados à concessão, nem ônus de qualquer natureza ao Poder Concedente ou à ANEEL. A Celesc possui 40% do Capital Social da empresa, Inepar S.A. 40%, e a Statkraft Energias Renováveis S.A. 20%. O investimento na referida Usina está integralmente provisionado como desvalorização em participação societária. A SPE vem tratando dos aspectos societários para sua dissolução.